Portal RTS - Rede de Tecnologia Social



Informativo Eletrônico

E-mail*
Nome

                                             Twitter    YouTube    Aumentar o tamanho da fonte Voltar ao tamanho padrão de fonte Diminuir o tamanho da fonte
Ações do documento

Madeira e resíduos para produção de energia


I Seminário de Madeira Energética discute o uso eficiente dos recursos vegetais para fins energéticos.

 Foto: Embrapa
Madeira-e-.jpg
Entre os temas de debate estão florestas energéticas, capim elefante e resíduos agroindustriais

04/09/2008 - O I Seminário de Madeira Energética reúne, no Rio de Janeiro, pesquisadores e empresas públicas e privadas para discutir o uso eficiente dos recursos vegetais para fins energéticos. Na terça-feira (2), um dos blocos debateu as variáveis para florestas energéticas, capim elefante e resíduos agroindustriais.

O evento é organizado pelo Instituto Nacional de Eficiência Energética (INEE) e conta com o apoio da Embrapa, Ibama, Iniciativa Carvão Verde, Serviço Florestal Brasileiro e do Ministério do Meio Ambiente.

Para uso energético, as florestas plantadas conjugam fatores positivos como grande extensão territorial, oportunidade para incorporação de áreas degradadas (que já somam 130 milhões de hectares), disponibilidade de espécies florestais adaptadas para quase todas as regiões e conhecimento científico e tecnológico na área de silvicultura.

No entanto, existem gargalos como a produção de sementes florestais de qualidade. “O Brasil não tem produção suficiente para dobrar a área plantada que hoje está em 5 milhões de hectares”, pontuou Helton Damin Silva, chefe da Embrapa Florestas (Colombo, PR), unidade que lidera o projeto Florestas Energéticas com a participação da Embrapa Agroindústria de Alimentos (Rio de Janeiro, RJ) e da Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP).

De acordo com Damin, o mercado de madeira está aquecido. Dos 350 milhões de metros³ demandados por ano, apenas 90 milhões são oriundos de florestas plantadas. A diferença é suprida pela mata nativa de forma legal ou não.

“Cerca de 30% de todo o eucalipto plantado no Brasil estão em Minas Gerais para atender basicamente a indústria siderúrgica. É o Estado mais interessado na questão”, afirma Damin. Não por menos, é o Estado que irá hospedar, em junho de 2009, o I Congresso de Florestas Energéticas.

Outra forma de obter energia é o aproveitamento de resíduos agroindustriais. Dados apresentados pelo diretor do INEE, Pietro Erber, mostram que há potencial para uso de até 9,1 milhões de ton/ano de biomassa vindas do bagaço de cana, casca de arroz, fibras residuais de coco, milho, sorgo, café, algodão e fumo, além de restos de madeira e podas de árvores. O volume seria suficiente para gerar 174 mil empregos, mas ainda faltam tecnologias mais eficientes para o processamento destas matérias-primas.

O capim elefante, tema levado pela Embrapa Agrobiologia (Seropédica, RJ) e pelo Instituto de Pesquisa Tecnológicas – IPT (São Paulo, SP), chama atenção pelo crescimento rápido e pela produtividade de até 30 toneladas de massa seca/ha/ano. Pesquisas com melhoramento genético poderiam abreviar os ciclos de colheita.

Os debates continuam: dimensão social e ambiental do carvão vegetal, gaseificação de biomassa, combustíveis sintéticos, bio-refinarias e produtos não energéticos na cadeia da madeira. O evento é patrocinado pelo BNDES e pela Companhia Vale do Rio Doce.


Outras Informações

Helton Damin Silva
Chefe Geral da Embrapa Florestas
Endereço eletrônico: helton@cnpf.embrapa.br
Fone: (41) 3675-5610      

Soraya Pereira
Embrapa Agroindústria de Alimentos
Endereço eletrônico: soraya@ctaa.embrapa.br
Fone: (21) 3622-9739 ou 9881-0535

Bruna Dias
Assessoria de Imprensa do INEE
Endereço eletrônico: bruna@inee.org.br
Fone: (21) 2532-1389    

Fonte: Embrapa

Portal mantido por: IBICT - Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia
Desenvolvido por: SCF Informática